sábado, 7 de março de 2009

O Expresso também dá erros, ou a lei da acção-reacção.

Juntamente com a enjoativa expressão "tudo é relativo" (parte integrante das 3 ou 4 leis da Física de algibeira e grosseiramente transposta para as mais variadas situações do dia a dia, nas quais justifica o que quer que dê jeito), também a famosa "lei da acção-reacção" é sistematicamente posta em prática em Portugal. Quando dá jeito, ou quando é preciso. Não forçosamente quando é justo ou é útil.




Ora, quiçá a primeira reacção a uma acção triste, mas necessária, já se faça sentir. Será?

Noticia o Expresso, em primeira página, que os "Jogos educativos do Magalhães estão repletos de erros de Português". De facto, aparentemente o pacote GCompris tem, na sua tradução para Português incluída no Magalhães, erros cuja gravidade é de lamentar e que justificam correcção imediata. Os responsáveis devem actuar sem hesitações.

Mas o Expresso toma a parte pelo todo. O Magalhães é um projecto que inclui dois sistemas operativos e centenas de componentes de software. Os erros foram identificados num componente específico que não representa a globalidade da solução. Negligencia, desta forma, o Expresso todo o esforço posto em prática por diferentes empresas e instituições para montar a oferta de software do Magalhães.

E a forma emotiva como está escrito o artigo não ajuda: na ânsia de criticar, esqueceu-se o Expresso da objectividade e frieza necessária para lidar com notícias de primeira página. É que o referido "emigrante com a 4ª classe" que fez a tradução tem, para além da 4ª classe, um curso de Filosofia e outro de Informática sendo profissional de TI em França, onde estudou e reside há muitos anos.

De facto, José Jorge, para lá da sua actividade profissional ligada às TI e de estar envolvido no projecto GCompris, é packager de software para Linux. Tudo matérias que tanto quanto se sabe não fazem ainda parte do 1º ciclo do ensino básico.

Errar é humano. Para o Expresso, sai uma palmatória.

Update: há mais informações aqui.


4 comentários:

Ricardo Vidal disse...

"dois sistemas operativos e centemas de pacotes de software"

Bom post mas uma vez que é sobre ortografia, merece extra atenção! ;)

Bruno disse...

Não é para ser pikuinhas, nem por causa da reação á acção, mas apenas porque herrar é umano... Quando escreve por ái que

"dois sistemas operativos e centemas de pacotes de software"

enganou-se e trocou um "n" por um "m". Mas não à crise.

Bruno disse...

Mas pronto, agora mais a sério. O senhor que fez a tradução poderia ter as habilitações que tivesse, mas sem o conhecimento básico da língua portuguesa deveriam ter arranjado outra pessoa para tratar do assunto. E não era preciso ir muito longe. Há por aí muitos universitários que fazem isso por tuta e meia e sem erros de palmatória como aqueles.

nitrofurano disse...

é repugnante que queiram atacar o open-source com um golpe tão baixo, e é indignante a atitude do governo em simplesmente querer remover um programa como o GCompris, que para além de excelente, é facilmente corrigível.